sexta-feira, 30 de setembro de 2011

PROJETO CABALA PARA O BEM




Meus irmãos, irmãs, amigos, amigas, professores e alunos.

Tenho prazer em iniciar o "Projeto Cabala para o Bem"

É sempre bom, poder ajudar. 

Vamos realizar um super-evento de Cabala, com palestra gratuita minha, onde qualquer pessoa pode participar. O melhor de tudo: além de participar do evento, você pode ajudar uma instituição que precisa, através da doação de 1 KG de alimento não perecível, que é o passaporte para o evento.

As vagas são limitadas, então, quem quiser participar da primeira edição, que será no Rio de Janeiro, por favor, envie nome completo e telefone por e-mail para:rafaelchiconeli@yahoo.com.br

O primeiro evento será no dia 18 de Novembro.

Após durante a realização do evento, tornaremos pública aos participantes a instituição que será ajudada e, divulgaremos como ação de hospitalaria de todos os participantes. Esta medida não tem o objetivo de constranger a instituição ajudada, mas tornar transparente o que será feito às doações.

Também aceitamos sugestões de instituições que precisem da ajuda, para futuras edições do Projeto.

Fraternalmente,

Rafael Chiconeli .`.


quinta-feira, 29 de setembro de 2011

ESCUTE SUA ALMA


Os Cabalistas afirmam que a maioria de nós foge do que tem que realizar nesta vida, encontrando desculpas para evitar fazer o trabalho espiritual para o qual nascemos.


Os sábios revelam que quando um homem, que tenha evitado a espiritualidade, comparecer perante o Criador e lhe for perguntado por que não mudou, ele sacará da sua sacola de desculpas: “Eu estava muito ocupado tentando sobreviver”, “Fui uma boa pessoa”, “Eu não sabia que o Senhor realmente existia”.  Deus então lhe dirá: “Você tem todas as desculpas, mas não realizou nem perto do suficiente nesta vida. Agora você tem que voltar ao mundo e fazer mais”.


O que é que existe na nossa natureza humana que faz com que evitemos nos estender?  A resposta é simples: quando o trabalho espiritual parece compulsório, resistimos.  Como você reage quando alguém diz que você deve fazer alguma coisa?  As chances são de que você reaja contra aquilo.  O mesmo acontece quando dizemos a nós mesmos que “devemos fazer”.


Vamos apagar o “devemos” do nosso vocabulário.


O motivo por que fazemos trabalho espiritual é o nosso próprio beneficio.  E é importante lembrar que nossa alma encarnou por uma razão específica.  A Cabala ensina que o ponto principal em sermos humanos reside em nos transformar. 

CONEXÃO VOCÊ-DEUS



Cada pessoa é obrigada a alcançar a raiz da sua alma. Isto significa que o aspirado propósito dos seres criados é Dvekut (adesão) com AS QUALIDADES DIVINAS, "Como Ele é misericordioso, etc." Suas qualidades são as Sagradas Sefirot, e esta é a mente ativa que guia Seu mundo e pela qual lhes atribui Sua benevolência e abundância.


Mas devemos compreender porque é chamada, "Dvekut com o Criador," pois aparenta ser mero estudo. Eu explicarei como uma alegoria: Em cada ação no mundo, a mente do seu operador permanece nessa ação. Numa mesa, um pode alcançar a habilidade e destreza na sua arte, seja grande ou pequena. Isto é assim pois enquanto trabalha, ele construiu-a de acordo com a sua mente, as qualidades da sua mente. E o que observa esta ação e considera a mente impressa nela, durante esta ação, ele está apegado à mente que o executou, isto é, eles unem-se na verdade.


Isto é assim pois na verdade, não há distância e fim entre seres espirituais, mesmo quando eles estão em corpos distintos. Mas a mente neles não pode ser distinguida, pois que faca pode cortar o espiritual e deixá-lo separado? Em vez disso, a principal diferença entre espirituais está nas suas qualidades - louváveis ou censuráveis - e a composição, dado que uma mente que calcula astrologia não se apegará a uma que contemple ciências naturais.


E há grande diversidade mesmo dentro do mesmo ensinamento, pois se um excede outro em até um elemento, ele separa os espirituais um do outro. Mas quando dois sábios contemplam o mesmo ensinamento e ostentam a mesma medida de sagacidade, eles estão na verdade unidos, pois o que os separa?


Então, quando um contempla a ação de outro e alcança a mente do sábio que a executou, eles têm a mesma mente e poder. Então eles estão completamente unidos, como um homem que encontrou seu amado amigo na rua, ele abraça-o e beija-o, e por sua absoluta união, eles não podem ser separados.


Consequentemente, a regra é: a mente é a força mais ajustada entre o Criador e Suas criaturas. Ela é considerada o meio, isto é Ele conferiu uma centelha dessa força, e através dessa centelha, tudo volta para Ele.


E está escrito, "Em sabedoria os fizeste Tu a todos," isto é que Ele criou o mundo inteiro com Sua sabedoria. Então, o que é recompensado em alcançar as maneiras pelas quais Ele tinha criado o mundo e suas condutas é aderido à Mente que as executou. Então, ele adere ao Criador.


Este é o significado da Torá sendo todos os Nomes do Criador, que pertencem às criaturas. E por seu mérito, a criatura alcança a Mente que afecta tudo, dado que o Criador estava a olhar para a Torá quando Ele criou o mundo, e o que alcança iluminação através da Criação e para sempre se apega a essa Mente; então, ele é aderido ao Criador.


Agora compreendemos porque o Criador nos mostrou Suas ferramentas de artesanato. precisamos nós criar mundos? Mas do supramencionado, reunimos que o Criador nos mostrou Suas condutas para que possamos saber como aderir a Ele, que é "apegar-se às Suas qualidades."




quarta-feira, 28 de setembro de 2011

ANO NOVO JUDAICO (ROSH HASHANA)



Rosh há Shaná (literalmente “Cabeça do Ano”, em Hebraico), é o Ano Novo pelo calendário judaico. Em 2011, ele terá início na noite do dia 28 de setembro. Estará começando o ano judaico de 5772.




De acordo com a tradição judaica, Adão e Eva foram criados no primeiro dia do mês de Tishrei, que foi o sexto dia da Criação. É a partir deste mês que o ciclo anual se inicia. Por isso, Rosh Hashaná é celebrado nesta época.
                       
Historicamente, o primeiro Rosh ha Shaná foi numa sexta-feira, o sexto dia da Criação. Neste dia, D'us criou os animais dos campos e das selvas, e todos os animais rastejantes e insetos, e finalmente - o homem. Assim, quando o homem foi criado, encontrou tudo pronto para ele.


Nossos sábios viram nisso a ordem da Criação, como a consideração do bom anfitrião que, antes de convidar um hóspede de honra, coloca a casa em ordem, prepara as lâmpadas mais brilhantes, uma refeição deliciosa, etc., para que seu convidado encontre tudo preparado. Mas também vêem nisto uma profunda lição: se o homem é merecedor, é tratado como um convidado de honra; se não o merece, dizem-lhe: "Não fique orgulhoso de si mesmo; até um inseto foi criado antes de você!"


Em Rosh ha Shaná, após a prece da noite, cumprimentamos todos falando: Leshaná Tová Ticatêv Vetechatêm (“Que sejas inscrito e selado para um ano bom”). Ao proferir isto, é como se pudéssemos ver os três grandes Livros Divinos abertos perante D'us: o Livro dos Justos; o Livro dos Perversos e o Livro dos Medianos - onde é provável que nos encontremos, com nossas boas e más ações quase se equiparando. Apenas uma mitsvá a mais e a balança penderá a nosso favor.


Há doze meses no ano, e há doze Tribos em Israel. Cada mês do ano judaico tem sua Tribo representativa. O mês de Tishrei é o mês da Tribo de Dan. Isto tem um significado simbólico, pois quando Dan nasceu, sua mãe Lea disse: "D'us julgou-me e também atendeu à minha voz." Dan e Din (Yom HaDin, Dia do Julgamento) são ambos derivados da mesma raiz, simbolizando que Tishrei é a época do Julgamento Divino e do perdão. Similarmente, cada mês do calendário judaico tem seu signo no Zodíaco (mazal , em hebraico). O mazal de Tishrei é a Balança. Este é o símbolo do Dia do Julgamento, quando D'us pesa as boas e as más ações do ser humano.

DIVISÃO DO ESTUDO




A cabala pode ser dividida em quatro aspectos: teórico (conhecimento com base em seus livros mais importantes), meditativo (palavras, textos e símbolos usados durante a meditação), prático (uso de forças, sons e formas derivados da cabala) e cotidiano (nossas ações e a evolução de nossa consciência).




1 | TEÓRICO


O estudo está baseado em três grandes livros, o Sefer Ietzirá, o Bahir e o Zohar . De conhecimento profundo, o ideal é que sejam lidos ao lado de um instrutor do assunto. Existem outras publicações que trazem esses ensinamentos já comentados por rabinos. Um exemplo é o Zohar comentado pelo rabino Ariel Benson. É desses textos, por exemplo, que nasce a idéia da Árvore da Vida, um diagrama que mostra os diferentes níveis do universo físico e espiritual. Uma dica: para conhecer melhor o que é a Árvore da Vida, o ideal é fazer um curso voltado apenas para esse tema porque as leituras ainda são complexas.




2 | MEDITATIVO


Ao meditar com as letras hebraicas, os cabalistas acreditam que o ser humano aumenta sua luz espiritual interna e, com isso, a capacidade de ter maior consciência. Pode-se meditar com as letras do alfabeto hebraico, que também têm associações com planetas que regem os meses e os signos. É possível ainda meditar por meio da estrela-de-davi (o símbolo sob a forma de uma estrela de seis pontas é usado em meditações profundas, pois acredita-se que, por meio dele, se atinjam planos celestiais superiores), frases do rito religioso judaico e, ainda, é possível utilizar os 72 nomes de Deus, que são os sufixos de nomes de anjos.




3 | PRÁTICO


Recitar mantras, meditar sob formas geométricas e invocar seu anjo. Tudo isso faz parte da tradição prática da cabala. Os mantras são frases cabalísticas tão poderosas que a maioria ainda permanece oculta, com acesso restrito aos alunos mais adiantados. As formas geométricas são diagramas sob os quais é preciso meditar. E os anjos, quando invocados, conferem força à nossa existência. Segundo a cabala, ao nascer, recebemos a energia de um anjo tutelar. Ele nos dá dons e também dificuldades – isso se não mantivermos a ação correta.


4 | COTIDIANO


Muitos livros atuais de cabala se referem à nossa ação cotidiana. Segundo a cabala, o desenvolvimento da consciência é a grande missão do ser humano. Para isso, é necessário que ele desenvolva uma atitude que contrarie sua natureza egoísta e que afirme cada vez mais seu desejo de amar os outros. Esses são os temas estudados pela astrologia e a numerologia da cabala, chamada também de guimátria. A astrologia fornece o mapa da alma. Com base nele, um cabalista calcula e descreve as vivências de uma pessoa em outra vida, suas dificuldades e êxitos e quais as lições que deve aprender nesta existência. Já a numerologia transforma a leitura dos textos sagrados, pois atribui para cada uma das 22 letras do alfabeto hebraico um valor numérico. Sabendo o significado dos números, os textos passam a ser decifrados como códigos secretos. E é aí que se escondem as mensagens da cabala, que falam muito sobre como devemos lidar com as situações difíceis do dia-a-dia, revelando outra dimensão para sua compreensão.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

OS MUNDOS CABALÍSTICOS (VÍDEO)








Neste vídeo eu respondo a pergunta do amigo Renato Faraco sobre os outros graus de existência. 


Fiquem à vontade para enviar perguntas, que à medida iremos respondendo: rafaelchiconeli@yahoo.com.br


LINK NO YOUTUBE: http://www.youtube.com/watch?v=VTDv0NFHKhU

COMECE A MUDAR AGORA!






OS DEZ PRINCÍPIOS:




1) Tirando todos os seus bens materiais, seu dinheiro, seu estudo e suas realizações, o que resta é o que você é. Pense nisso hoje. O que você é, em essência?


2) Quando você deseja alguma coisa, o universo lhe ajuda a chegar lá, sem selecionar pensamentos positivos ou negativos. Por isso, cuidado com o que você deseja.


3) Não devemos nos satisfazer com o bem que fazemos dentro da nossa natureza, devemos nos motivar a fazer aquilo que está além da nossa natureza.


4) Muitas pessoas ficam atoladas na escuridão. Mas há também os que ficam atolados na Luz. Ficamos contentes por estar em um "bom lugar" e não nos esforçamos para seguir em frente. É preciso subir sempre.


5) Estamos nesta vida para crescer constantemente, e nossa meta deve ser deixar este mundo sendo uma pessoa melhor do que a que entrou.


6) Achamos que as metas que definimos são o objetivo, mas o verdadeiro objetivo é o processo e a transformação pela qual passamos.


7) Concentre-se totalmente em ver suas situações negativas como oportunidades positivas. E deixe que pensamentos positivos dominem sua mente.


8) Hoje, pondere suas palavras antes de permitir que elas saiam da sua boca. Cinco segundos de reatividade podem destruir uma amizade de dez anos.


9) Não leve tudo para o lado pessoal. Você não é o centro de tudo que acontece. Quanto mais você conseguir domar sua forma de pensar egocêntrica mais feliz você será.


10) Seja paciente consigo mesmo se você não estiver onde gostaria de estar. Lembre-se: há um processo.


MUDE AGORA!


As 4 chaves da Mudança:


1)Emuná (crença) - Você deve acreditar que pode mudar


2) Ratson(vontade) - Você deve extrair forças da sua própria vontade


3)Avodá (trabalho) - Você deve praticar um programa de introspecção


4)Oneg (prazer) - Você deve sentir alegria do sucesso




Neste sábado (01/10 ) iniciamos mais uma nova turma do Módulo 1 de Cabala:


http://eternooriente.blogspot.com/2011/09/curso-especial-cabala-1.html

domingo, 25 de setembro de 2011

QUEM MERECE SABER?




"Saber é compreender como é que a mais insignificante das coisas está ligada ao todo; nada existe por si só."


Émile-Auguste Chartier


O conhecimento sempre foi considerado um bem. A espionagem não é uma invenção dos tempos modernos; ela existe desde a alvorada da história. Mas ela existiu porque o conhecimento sempre foi revelado na base do precisar saber, e a única disputa era sobre quem precisava saber.

No passado, os conhecedores eram chamados de “sábios,” e o conhecimento que eles possuíram era o dos segredos da Natureza. Os sábios esconderam seu conhecimento, temendo que ele pudesse cair nas mãos daqueles que eles consideravam indignos.

Mas como determinamos quem merece saber? O fato de eu ter algum pedaço de informação exclusivo me dá o direito de esconde-lo? Naturalmente, pessoa alguma iria concordar que ela não merece saber; assim nós tentamos “roubar” qualquer informação que queiramos, que não está acessível abertamente.

Mas este nem sempre foi o caso. Há muitos anos atrás, antes do egoísmo alcançar seu nível mais elevado, as pessoas consideravam o bem coletivo antes de considerar o seu próprio.

Elas sentiam-se conectadas a toda a Natureza e a toda a humanidade, e não a si próprias. Para elas, essa era a maneira natural de ser. Mas atualmente, nossas considerações têm mudado drasticamente, e acreditamos que somos dignos de saber tudo e de fazer tudo. Isto é o que nosso nível de egoísmo dita automaticamente.

sábado, 24 de setembro de 2011

EVOLUIR COMO SER HUMANO




A ciência Cabalística é única, no sentido em que fala sobre você e eu, sobre todos nós. Ela não lida com nada abstrato, apenas com o modo como somos criados e de que modo funcionamos nos níveis mais elevados da existência.


Uma parte dela fala sobre a descida das forças superiores desde o mundo do Infinito. O mundo do Infinito é o nosso estágio inicial, e lá nós existimos como um sistema único e unificado de almas, totalmente interligado. A partir do mundo do Infinito, nós estudamos a seqüência dos mundos, as Sefirot e os Partzufim, na medida em que eles descem ao mundo em que vivemos.


Muitos livros Cabalísticos têm sido escritos sobre o assunto, começando com o Patriarca Abraão há quatro mil anos atrás, que escreveu um livro chamado Sefer Yetzira (O Livro da Criação). A próxima obra importante é O Livro do Zohar, escrita no século II d.C. O Zohar é seguido pelas obras do Ari, um renomado cabalista do século XVI. E o século XX viu o surgimento das obras do cabalista Yehuda Ashlag.


Os escritos de Ashlag são mais adequados para a nossa geração. Eles, bem como outras fontes Cabalísticas, descrevem a estrutura dos mundos superiores, como eles descem e, sucessivamente, fazem surgir os mundos inferiores, e como o nosso mundo surgiu, o universo, o nosso globo terrestre, e como a vida evoluiu. Ao estudarmos como esse sistema foi criado e como ele desce ao nosso mundo conseguimos dominar o método de admissão a esse sistema, dominando-o.


Geralmente, nós estudamos os seis volumes do Talmud Eser Sefirot (O Estudo das Dez Sefirot), escrito por Yehuda Ashlag. Ele é concebido como um estudo de apoio, com perguntas, respostas, materiais para repetição e memorização, explicações, gráficos e desenhos. Esta é, se desejarem, a física do mundo superior, descrevendo as leis e as forças que regem o universo.
Gradualmente, este material transforma os estudantes, porque quando procuramos entrar e começamos a viver no mundo espiritual, vamos nos adaptando ao material.


A ciência Cabalística não lida com a vida deste mundo. Pelo contrário, através do estudo deste sistema alcançamos novamente o nível anterior à nossa descida, o mesmo nível que estaremos no final da nossa ascensão deste mundo. Durante esta ascensão, o estudo da Cabala constrói dentro do estudante um sistema igual ao sistema superior.


Este sistema começa a organizar e se manifesta na pessoa que pretende alcançá-lo, e naquele que o estuda com este propósito. Tal como uma gota de sêmen pode potencialmente evoluir para um ser humano, e, posteriormente, se desenvolver num adulto, a ciência Cabalística desenvolve o nosso desejo de alcançar um nível mais elevado de existência.


No início, este é um desejo muito pequeno, chamado "ponto no coração." Este ponto é como o embrião de nossos estágios futuros. Com o estudo da estrutura do mundo superior, desenvolvemos a informação “genética” dentro dele, e, à medida que ele cresce, forma-se dentro de nós uma estrutura semelhante aos níveis mais elevados.


É por isso que estudar é tão compensador. Mesmo se não entendermos nada sobre o que estamos lendo, simplesmente tentando entender os textos Cabalísticos, alimentamos o ponto do coração, o desejo pelo Altíssimo, e o ponto começa a crescer. Quanto mais ele cresce, mais sentimos o surgimento de uma nova criação, uma sensação nova e diferente de um mundo dentro de nós.


Com isso, a ciência Cabalística nos dá a oportunidade de sentirmos os mundos superiores, de entendermos tudo aquilo que ocorre conosco e, acima de tudo, de controlarmos este processo.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

A SORTE


 

Existe uma passagem bíblica muito interessante, protagonizada por Isaac, o polêmico filho de Abrahão. Isaac andava muito sensibilizado, com a perda da mãe, quando seu pai decide enviar seu servo principal para buscar uma esposa para o filho. E assim o servo segue, acompanhado de dez camelos, rumo ao cumprimento de sua missão.

     Ao chegar na terra destinada, o servo se depara com um grande problema: como deveria proceder para escolher a esposa de Isaac? Depois de muito pensar ele começa a orar, e assim permanece, até que recebe uma resposta para seu dilema: a futura esposa de Isaac deveria mostrar-se uma mulher de grande benevolência. 

     Logo em seguida ele se aproxima de uma fonte de água e depara-se com uma linda e educada moça, que serve água não só para ele como também para todos os seus camelos.
     Este, sem dúvida alguma, era um sinal de que ele estava diante da nova matriarca. Abrahão estava preocupado, porque o servo poderia trazer uma mulher que não fosse do agrado de seu filho. No entanto, o servo chegou acompanhado de uma linda e afetuosa mulher. E Rebeca se tornaria uma grande alegria na vida de Isaac. Teria sido sorte?

      Por trás de um caso aparentemente ingênuo de paixão a primeira vista , podemos extrair um importante ensinamento. Para estudar os códigos, por trás da literalidade do antigo testamento, precisamos buscar o significado de certas palavras no  texto original, escrito na língua hebraica.
      Nesta língua a palavra Sorte é escrita como Mazal, que significa também uma constelação astrológica. Então, de acordo com a correta tradução, a boa sorte não está relacionada ao acaso, mas sim a uma melhor sintonia de seu receptor. 

     Assim, Abrahão,  um homem de muita benevolência, escolheu criteriosamente seu servo mais querido para buscar uma esposa para o filho. Isaac, por sua vez, estava orando, em estado profundamente meditativo, quando avistou Rebeca pela primeira vez. Haveria receptor melhor para se encontrar um grande amor?      

     Isaac não encontrara sua alma gêmea por acaso. Aliás, ninguém encontra a alma gêmea por acaso. Para encontrar um grande amor é preciso estar receptivo. Eis o segredo da boa sorte.    

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

CABALA E HOMOSSEXUALISMO



AQUI, RESPONDO À UM QUESTIONAMENTO DA BUSCADORA CLAUDIA, SOBRE A QUESTÃO DA HOMOSSEXUALIDADE E AS ALMAS GÊMEAS.


PERGUNTA: 


"Bom dia, deculpe-me a pergunta mas no caso de pessoas homossexuais existe alma gêmea"?


Querida amiga,

Essa é uma pergunta muito interessante e sempre surge nos seminários que dou sobre a Cabala. Sempre que posto algo, espero sempre que surja uma pergunta inteligente como esta.

"Para se encontrar a alma gêmea é preciso estar aberto ao encontro".

Quando citamos o Zohar e falamos de "corpo de homem" "corpo de mulher", devemos lembrar que ele fala por alegorias e que precisamos desvendá-las. Não significa que sempre e necessariamente as pessoas irão encontrar sua alma gêmea. Tão pouco, que ela será encontrada de forma padrão.

 Como citei em texto anterior:

 "Os planos de Deus são diversos e, geralmente, aqui na terra as almas gêmeas vêm de experiências distintas",

" almas gêmeas não concordam em tudo e nem estão associadas à perfeição".

Segundo a doutrina cabalística , não é algo fácil o encontro entre as almas gêmeas, pois é necessário um grande merecimento. Assim, os mesmos desafios se aplicam a qualquer ser humano independente de sua orientação sexual, pois a Cabala em si  não se restringe ao sexo, seu ensino esta pautado na alma.

 Gostaria que você entendesse alguns princípios da criação segundo a Cabala, neste meu link: 


Dito isto, devemos entender que o homossexual, tanto quanto as pessoas de orientação heterossexual enfrenta o desafio que a existência nos propõe, que é vencer nossos instintos naturalmente egoístas e evoluir. Quando falamos de masculino e feminino, tratamos não da questão sexual e, sim, das energias que se manifestam através da alma.

Atenciosamente,

Rafael Chiconeli .`.

quarta-feira, 21 de setembro de 2011






A localização da alma no mundo espiritual é referida como a sua raiz. As raízes das almas diferem. Almas descem em nosso mundo e encarnam em corpos. Como as raízes das almas diferem entre si, os objetivos que cada alma deve alcançar em nosso mundo também diferem. É por isso que cada organismo nada mais é do que um mecanismo para a conclusão do plano de desenvolvimento da alma.
A pessoa começa a sentir-se atraída para a espiritualidade, esforça-se para alcançar sua raiz espiritual, desejando atingi-la de imediato, para ser capaz de sentir todos os mundos hoje, enquanto ainda vive neste mundo.
A Música Cabalista revela e desenvolve o potencial espiritual de cada pessoa.
As melodias cabalísticas não são submetidas à análise musical típica. Do ponto de vista da música clássica, essas melodias podem aparecer banais em sua estrutura e linguagem musical.
Mas aquelas pessoas com uma inclinação para a ascensão das suas almas nesta vida, que desejam atingir o Mundo Superior e o universo inteiro, sentem nesta música algo que lhes convida para o desconhecido.

Não sabemos como está estruturada a nossa compreensão musical. Por que se sentem os acordes maiores diferentes em um tom emocional e mais sensível do que os menores? Por que sentimos o acorde maior como algo mais brilhante, mais aberto, e mais feliz do que os menores?
Muitos músicos com perfeita audição musical vêem cores em notas, acordes, e tons. Ninguém sabe como isso ocorre e porque tais associações de cor, som, sabor e sensações aparecem dentro de nós. Ninguém sabe a estrutura dos nossos receptores que percebem informação absolutamente imaterial.
Cabalistas, no entanto, compreendem como esses dispositivos trabalham dentro de nós, porque conhecem a estrutura da nossa alma. Os cabalistas podem incluir informações espirituais em sons musicais. É por essa razão que a música cabalista é um meio de infundir o mundo interior da pessoa com informações sobre tudo o que a rodeia.

O conteúdo da música de nosso mundo está relacionado às sensações pessoais ,terrenas e às emoções dos compositores. Estes sempre aspiraram refletir as propriedades da criação em sua música, porem essas tentativas, nunca foram alem de frágil sugestão ou sentimento pessoal.
Apenas as melodias escritas por Cabalistas realmente nos permitem sentir sensações de eternidade, sensações do movimento da alma, empurrando-nos para uma compreensão da nossa essência como uma parte de um universo eterno.

A música cabalística é escrita pelos grandes cabalistas como uma expressão espiritual de suas sensações. É intrinsecamente localizada em um elevado nível espiritual.
Uma sensação espiritual não pode ser esquecida. Aquilo que foi ouvido e sentido uma vez se mantêm e pode repetir-se a qualquer momento. Esta sensação pode ser manipulada mais tarde, criando tons mais refinados de emoção. Em cada melodia, há uma sensação diferente, correspondente a cada estado espiritual particular. Devido ao elevado nível do seu compositor, cada melodia fala sobre o etéreo, que eleva a pessoa para o mundo espiritual - para a eternidade e a perfeição.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

DATAS DOS PRÓXIMOS CURSOS







CURSOS MINISTRADOS:

Para maiores informações sobre valores e datas dos próximos cursos ou agendar na sua cidade:
(021) 2113-9171 ou rafaelchiconeli@yahoo.com.br

NA AGENDA, SÓ EVENTOS CONFIRMADOS:

SETEMBRO
23/09 – CABALA III – RJ
24/09 – GNOSE II – GO
25/09 – ARCANOS EGÍPCIOS II – RJ
30/09 – CABALA Il – RJ

OUTUBRO
01/10 – CABALA l – RJ
15/10 – CABALA I – SP
16/10 – ARCANOS EGÍPCIOS – SP
22/10 – CABALA II – RJ

NOVEMBRO
05/11 – Cabala I – MG
06/11 – Cabala II – MG


Outras datas a serem confirmadas, CASO QUEIRA MARCAR UMA PALESTRA OU CURSO EM SUA CIDADE, ENTRAR EM CONTATO PELO MESMO NÚMERO.

SEUS REAIS DESEJOS





  Escrever nossos pensamentos, medos, desejos, esquemas, arrependimentos e fantasias é um poderoso guia espiritual.


Você está pronto pra um exercício de escrita rápido hoje?


Faça uma lista de seus desejos. Coloque tudo que vier em sua mente, não importa quão pequeno ou idiota aparenta ser.


Só para começar: eu quero ir esquiar com meu melhor amigo este final de semana, eu quero que minha irmã pare de usar drogas, quero que meus filhos parem de brigar, quero ser um cantor famoso, quero acabar com a fome no mundo, quero salvar a vida de pessoas, quero ter tanto dinheiro que meus pais nunca mais precisarão trabalhar de novo. Você entende a idéia.


Apenas coloque seus desejos no papel. Uma vez que você tenha feito isto, escreva como que você sentiria se você atingisse isto. Como que a vida mudaria?
Sem conhecer seus verdadeiros desejos, você não possui chance alguma de atingí-los. Então, seja honesto!


DOR


Nós machucamos as pessoas porque estamos machucados.


Podemos pedir desculpas, mas isto nem sempre retira a dor, retira? E não nos impede de machucar novamente. Até que possamos entender esta verdade, continuaremos a machucar as pessoas. A maior parte de nós não é má pessoa. Estamos apenas machucados.


Hoje, sente-se silenciosamente por um momento, e isole a dor específica que causou qualquer sofrimento que você infringiu em outras pessoas.


Responsabilidade tem que ser tomada por eventos e temos que decidir radicalmente prevenir sua recorrência ao destruir e cancelar o desejo que as causou. No momento que tomamos esta decisão, nós de fato atingimos um nível alternado de consciência.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

A VERDADEIRA CIÊNCIA




As ciências regulares são estudadas usando o desejo egoísta da pessoa, e não se espera que o pesquisador faça algo além deste mundo. As ciências regulares não vão além da investigação do material egoísta, o nosso desejo de receber prazer. É este desejo que nos faz acreditar que existe um mundo gigantesco à nossa volta, o qual estamos investigando. Porém, na verdade, o que nós estamos investigando é o nosso desejo interior nos níveis inanimado, vegetativo, animado e humano, os quais existem dentro de nós.


Todos os objetos inanimados, vegetativos e animados, e de modo geral, todas as coisas que alcançamos através das ciências terrenas, são, na realidade descritos para nós em nosso desejo de receber prazer. É por isso que no final do dia, nós só descobrimos o nosso próprio desejo. É isso que todas as ciências fazem, como física, biologia, química, astronomia e outras. Tudo isso está dentro de nós.E a sabedoria Cabalística? Ela também está dentro de nós.


A única diferença é que as ciências regulares investigam os nossos desejos egoístas em sua forma original, que foi inicialmente dado a nós, ao passo que a sabedoria Cabalística investiga os nossos desejos depois de um “upgrade” (atualização) - uma vez que eles têm a intenção de doar. No entanto, nós precisamos primeiro adquirir esta intenção, a fim de realizar a pesquisa.É por isso que o examinador do nosso desejo de receber prazer corporal não deve mudar. 


Os fenômenos que ele estuda são aqueles que surgem dentro do seu próprio desejo egoísta. A única coisa que ele precisa para estudar é a razão e a lógica.Mas uma pessoa que quer investigar o que acontece com o desejo de receber prazer com a intenção de doar - um Cabalista, deve adquirir a intenção de doar, porque esta é a sua ferramenta de pesquisa.

domingo, 18 de setembro de 2011

A CABALA E O CASAMENTO







O casamento é a suprema parceria entre os dois mundos de imanência e transcendência. Quando cada parceiro aprende a partilhar sua perspectiva única enquanto avalia e se conecta com a perspectiva paralela do outro, marido e mulher se tornam um equilíbrio perfeito de universos complementares. O homem guia a mulher, a mulher leva o homem. O homem dá a perspectiva, a mulher dá a experiência. Um sem o outro é um quadro incompleto. Juntos, eles formam uma unidade que tem o melhor dos dois mundos.


Com essa definição de masculino e feminino podemos entender duas antigas tradições judaicas. Nos dias antes do casamento, é costume o noivo ser chamado à Torá na sinagoga, e a noiva imergir no micvê. Na superfície estas duas atividades parecem estar a mundos de distância. Recitar bênçãos sobre um Rolo de Torá e mergulhar numa piscina ritual dificilmente se assemelham. 


Por que práticas tão diferentes para homem e mulher?Talvez uma resposta seja que estes atos são uma forma de os noivos se conectarem a suas respectivas fontes espirituais, de enfatizar e nutrir as contribuições únicas que cada parte levará ao futuro casamento. O homem deve prover direção e estabilidade ao casamento, portanto ele se conecta à suprema fonte de direção e estabilidade – a Torá. 


A mulher deve trazer vitalidade e experiência à união, portanto imerge nas águas da vida. O dele é um ato teórico – uma leitura. O dela é um ato de total envolvimento – uma imersão. Ele se conectou com a fonte de transcendência; ela, à fonte da imanência.Não é um feito pequeno unir homem e mulher – dois opostos tão diversos como céu e terra, mente e coração, teoria e prática. 


Nós nos preparamos ao mergulhar primeiro em nossas respectivas fontes espirituais – as sagradas palavras da Torá e as águas sagradas do micvê. 


Na chupá, a canópia de luz Divina funde juntas as nossas almas como se fossem uma. Então, após o casamento, temos uma vida inteira para aprender como trabalhar juntos e descobrir as maravilhas e belezas dos dois mundos se tornando um só.


Uma idéia bem louca. Bastante boa, também.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

A CABALA E A CRIAÇÃO: VÍDEO



Neste vídeo eu respondo a pergunta de meu aluno Vander, sobre o porque de Deus ter criado o Homem. 


Fiquem à vontade para enviar perguntas, que à medida iremos respondendo: rafaelchiconeli@yahoo.com.br


NOSSO CANAL NO YOUTUBE: http://www.youtube.com/watch?v=QmEKmW3qiBE

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

CABALA X RELIGIÃO




Porque a Cabala lida com a conexão que uma pessoa tem com as forças superiores, com o espiritual, o Criador, ela é geralmente considerada como sendo uma religião. Ela não é uma religião, mas está associada dessa forma porque as pessoas religiosas acreditam na existência do Criador. Elas têm um tipo de relacionamento com o Criador através da oração e também fazem coisas, ações, que elas sentem, que sua tradição lhes assegura que o Criador exige delas e, fazendo essas coisas, uma relação de proximidade é construída no contexto da religião.
Se elas têm tudo isso - um relacionamento, a existência do Criador, ações para aproximá-los - bem, o que mais poderia haver? Bom, na verdade, não há mais que isso. Há apenas uma questão sobre como isso é feito, o paradigma em que isso ocorre.
Cabala não é uma religião, é um método, é realmente uma Ciência. É uma forma de estabelecer uma relação direta com o Criador. Ela usa componentes similares aos da abordagem religiosa, mas o seu paradigma é completamente diferente.
A diferença está em saber se a pessoa se aproxima destes mesmos elementos com um propósito de internalidade ou externalidade. A Cabala descreve um processo que é considerado como internalidade. A diferença entre os dois é extremamente marcante, e se você pegar a abordagem do paradigma da Cabala e aplicá-la a esses mesmos elementos da religião, às mesmas ações, você pode ter uma experiência completamente diferente, uma ligação direta com a Força Superior, e uma compreensão melhorada e a realização, não só dos prazeres da vida, mas da realidade da mente do Criador. Este é um relacionamento real.
Vamos dar uma olhada no que é esta diferença e o que é que que uma pessoa pode fazer com esses elementos, a fim de atingir este tipo de relacionamento.
Vamos responder agora, Qual A diferença entre a Cabala e a Religião? Vamos apontar a diferença exata. É um detalhe pequeno, mas seu discernimento muda completamente a vida de uma pessoa:
"A religião pressupõe que o Criador muda a Sua atitude para com uma pessoa dependendo das ações dela. A ciência da Cabala, no entanto, afirma que a Força Superior é invariável, e que as ações de uma pessoa de nenhuma maneira poderão afetá-la. Em vez disso, as ações da pessoa podem mudá-la, a si própria. Ela será capaz de perceber a Regência Superior de um jeito diferente, se suas próprias mudanças visarem a uma maior semelhança. Ela será capaz de perceber o Criador, como amável e bom. Ao aumentar a diferença entre suas propriedades (recepção) e as do Criador (outorga), ela vai sentir a atitude do Criador como mais negativa".
Quando focamos no lugar onde vivemos, no ambiente que nos rodeia, podemos ver que somos completamente dependentes dele. Ele pode fazer qualquer coisa que quiser para nós.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

CURSO ESPECIAL: CABALA 1 (ÚLTIMAS INSCRIÇÕES)



ÚLTIMAS INSCRIÇÕES PARA ESTA TURMA (RIO DE JANEIRO)

Para Inscrições e maiores informações sobre valores e datas dos próximos cursos ou agendar na sua cidade:


(0xx21) 2113-9171 ou rafaelchiconeli@yahoo.com.br



SETEMBRO:

CABALÁ I

PRÉ-REQUISITOS: NENHUM

A palavra CABALA significa "aquilo que se recebe". A Cabala é um estudo místico e metafísico de vasta abrangência, sendo muito conhecida como Antiga Tradição ou Ioga do Ocidente.
Muitos mestres antigos ensinaram Cabala e cada um tinha sua maneira de introduzir o estudante na ciência cabalista, todas incluindo prática e teoria. Na Cabala a teoria e a prática precisam andar juntas.
Sem a teoria, o que se faz não possui uma base sólida e sem a prática, a Cabala é uma ciência morta. O que mais se pode receber da Cabala é a energia divina, por isso nosso curso inicia pelo estudo das vibrações das letras hebraicas para em seguida ir para a teoria da Árvore da Vida, o estudo dos Anjos e a Numerologia Cabalista.
Rafael Chiconeli aplica o curso de maneira didática e prática, tornando fácil a assimilação do conteúdo.

TÓPICOS ABORDADOS:
- Os Mistérios de D´us e os Quatro Mundos
- Gematria
- A Árvore da Vida 
- Simbolismo e Alegorias 
- Descrição e explicação completa sobre as Sefiroth
- Descrição e explicação completa sobre os 22 caminhos.
- Alquimia e sua relação com a Árvore da Vida.
- O Ego
- Os Sete Aspectos.
- Construção do EU.
- Letras hebraicas e seus arcanos


Duração do 1º Módulo: 4hs
Início 30/09 das 10h às 14h - Rio de Janeiro

BREVE, DESCRIÇÃO DOS DEMAIS CURSOS...

NÓS NOS TORNAMOS COMO DEUS ATRAVÉS DE SISTEMATICAMENTE DESTRUIRMOS O EGO, PORQUE O DESEJO DE RECEBER SOMENTE PARA SI MESMO É O OPOSTO DE DEUS. ELE NÃO RECEBE DE NINGUÉM.

Devido a um caso cósmico de identidade equivocada, nos conec-tamos com o ego, com uma dessemelhança de natureza com Deus. O mundo foi meticulosamente estruturado pelo Oponente para o cuidado e a nutrição desse ego - o anseio sem fim por prestígio, vaidade, louvor e bajulação, e a incessante indulgência a desejos egoístas.

Para alcançar similaridade de forma, para igualar a essência de Deus, devemos nos mover de todo coração na direção oposta: confrontar, humilhar, embaraçar e purgar essa natureza do ego em vez de estimulá-la, e nos livrar da necessidade de ceder aos desejos egoístas, até que nossa essência por fim se torne como a essência de Deus.
Página 37 de 113

 NÓS NOS TORNAMOS COMO DEUS AO NOS TRANSFORMARMOS EM SERES QUE COMPARTILHAM, PORQUE DEUS É UMA FORÇA DE INFINITO COMPARTILHAR.

O Desejo de Receber Somente para Si Mesmo é o oposto da natureza de Deus, que é uma natureza de compartilhar infinito. Através de nos opormos a este desejo egoísta e nos tornarmos seres que compartilham, nos igualamos à essência de Deus. Transformar-se num ser que compartilha não significa efetuar um ato ocasional de generosidade. Exige um movimento contínuo em direção à Luz e a mudança de forma: se tornar um ser em que todo pensamento, toda ação e toda fala vem do Desejo de Compartilhar.

Esta transformação, na qual o compartilhar se torna uma forma de vida, e não meramente um ato ocasional, no qual o compartilhar é feito quando não é fácil e confortável compartilhar, tem um nome especial.

É chamado de compartilhamento transformador.